Connect with us

Design

No setor imobiliário de varejo, espaços menores têm grande demanda

Published

on

varejo

“Menos é mais” parece ser o novo mantra para varejistas e QSRs (restaurantes de serviço rápido) quando se trata de metragem quadrada para suas lojas e restaurantes. Um relatório da empresa de imóveis comerciais JLL revelou que, no primeiro trimestre de 2024, mais de dois terços (68,5%) dos acordos de locação no varejo foram para espaços de 2.500 pés quadrados ou menores.

A tendência em direção a PDVs compactos não é um fenômeno novo, segundo Arvind Cheruku, Sócio e CIO da Janapriya Upscale USA. Foi impulsionada pelo desejo dos consumidores por velocidade e conveniência na loja — desejos que foram aguçados pelo impacto da COVID-19.

“O foco agora é na rapidez”, disse Cheruku em uma entrevista ao Retail TouchPoints, observando que a primeira pergunta que varejistas e QSRs em busca de novos espaços têm para empresas como a dele é se “há uma janela de retirada ou um espaço de pátio. A tendência é para o fast casual. Os clientes estão perguntando: ‘Como posso fazer o que preciso e sair?’ E com esse foco na rapidez, você não precisa de espaços de 5.000 ou 10.000 pés quadrados.

“Além disso, a inflação desempenhou um papel tão grande, e os varejistas que estão lutando para manter seus custos baixos entendem que os preços para os consumidores não podem ser alterados, então precisam manter o fluxo de clientes”, acrescentou Cheruku. “Fast casual é a nova norma, onde as pessoas não querem sentar e desfrutar da experiência gastronômica [por qualquer período] a menos que seja um restaurante super sofisticado.”

A tendência para a redução de tamanho se aplica não apenas aos varejistas individuais, mas aos enormes shoppings que tradicionalmente os abrigavam. “Houve um afastamento dos shoppings e espaços fechados, e a COVID acelerou isso”, disse Cheruku. “As pessoas essencialmente disseram: ‘Eu não vou ao shopping a menos que seja um shopping especializado’, e a demografia apoiou isso. Esses shoppings especializados em cada cidade e subúrbio estão levando ao crescimento dos desenvolvimentos de uso misto, porque as pessoas ainda precisam de lugares para socializar.”

Quanto ao desenvolvimento e construção de varejo em geral, Cheruku acredita que a estagnação causada pelas altas taxas de juros e altos custos de construção está começando a dissipar. “No ano passado era, ‘Tudo o que queremos fazer é esperar e observar,’ então as pessoas hesitavam em adicionar mais espaço”, ele notou. “Este ano, a sensação é de que ficamos à margem por muito tempo.”

E enquanto os custos de construção ainda continuam a subir, os aumentos parecem estar se estabilizando. “Ainda há aumentos de preços, mas o ritmo desses aumentos diminuiu, de cerca de 15% para 10%”, disse Cheruku. “Acredito que veremos aumentos de 5% a 7% [no próximo ano], mas esses são esperados. Eles estão ligeiramente acima da inflação, mas isso é normal.”

 

Imagem: Envato
Informações: Adam Blair para Retail Touch Points
Tradução: Central do Varejo