Connect with us

Comportamento

Os supermercados estão preparados para a população mais velha?

Published

on

população mais velha

Recentes pesquisas conduzidas pela 84.51º, braço de ciência de dados, insights e mídia da Kroger, descobriram que pessoas com mais de 65 anos superarão em número aquelas com menos de 18 anos até 2034, sugerindo que ajustes podem ser necessários por marcas e varejistas para atender às necessidades da população mais velha.

Até 2030, todos os Baby Boomers terão pelo menos 65 anos.

  • Para atender às necessidades alimentares dos Baby Boomers, a pesquisa da 84.51º sugeriu:
  • Produtos frescos básicos como leite e bananas são os mais vendidos;
  • Esta geração mostra menos interesse em categorias de nicho, como cidra ou produtos feitos com ingredientes naturais;
  • De maneira geral, priorizar frescor, conveniência e indulgências familiares alinha-se com as compras frequentes em todas as gerações.

Katarina Weil, consultora líder de design de soluções da 84.51º – fundações do cliente, disse que o tamanho das famílias pode diminuir para alguns consumidores mais velhos à medida que os filhos crescem e os casais enfrentam divórcios ou viuvez mais tarde na vida. No entanto, para outros clientes mais velhos, o envelhecimento traz lares maiores devido à coabitação multigeracional e ao papel dos parentes mais jovens como cuidadores.

Espera-se também que uma população mais velha faça menos viagens de compras, especialmente se o tamanho de seus lares diminuir. A pesquisa da 84.51º mostra que os compradores entre 19 e 24 anos fazem aproximadamente 34,3% mais idas ao supermercado do que os compradores com 75 anos ou mais.

“Para os varejistas, isso torna as conversões em loja cada vez mais importantes”, disse Weil. “A gestão dos tamanhos das cestas e a facilitação das compras para os idosos devem se tornar prioridades. Para as marcas de produtos de consumo, essas realidades demográficas exigem repensar as ofertas de produtos para atender às necessidades dos adultos mais velhos. Embalagens, rótulos e ingredientes podem precisar se adaptar às mudanças nas habilidades físicas e nas condições de saúde. O marketing e a publicidade devem falar com os consumidores mais velhos.”

Em uma coluna de opinião para a Ad Age, Pamela Millman, diretora associada de marketing integrado na AARP Media, escreveu que o público com mais de 50 anos permanece “frequentemente negligenciado” pelos profissionais de marketing de alimentos, embora o grupo compre 54% de todos os mantimentos nos EUA e tenha se tornado mais consciente da saúde e cozinhe mais frequentemente desde a pandemia.

Millman escreveu: “Seja preparando refeições em casa ou comprando mantimentos na loja ou online, os adultos com mais de 50 anos estão abertos a novas ideias, experiências, produtos e serviços, o que os torna altamente receptivos a campanhas de marketing que atraem sua atenção.”

Pesquisas da Universidade de Hertfordshire descobriram que os idosos enfrentam uma “ampla gama de fatores que trabalham contra eles ao obter e comprar alimentos”. Além da nutrição, os benefícios das compras de alimentos para os idosos incluem a oferta de oportunidades de interação social, já que o risco de solidão aumenta, observou a pesquisa.

Entre as sugestões da Universidade de Hertfordshire estava a introdução de filas de checkout “lentas” ou “relaxadas” em horários determinados, algo que foi testado nos últimos anos por muitos supermercados do Reino Unido. O estudo da universidade descobriu que muitos idosos não querem ser apressados no checkout. Os pesquisadores afirmaram: “Os idosos disseram que valorizam a chance de interagir com a equipe ou outros compradores.”

Outras recomendações incluíam:

  • Fornecer mais áreas de assento amplas ou pontos de descanso;
  • Organizar eventos de almoço voltados para os idosos nos cafés das lojas;
  • Investir em treinamento de funcionários ou considerar a criação de esquemas de “amigo de compras” com voluntários para ajudar os compradores que precisam de ajuda para alcançar itens nas prateleiras ou carregar sacolas até a porta;
  • Oferecer algumas alternativas de desconto que apoiem compras menores para complementar as ofertas “compre um, leve outro” focadas na família;
  • Fornecer mais alimentos em tamanhos de embalagem menores sem penalidade financeira;
  • Abordar os desafios das compras online para aqueles que têm dificuldade em sair de casa.

A professora Wendy Wills escreveu no estudo: “Os supermercados têm uma excelente oportunidade de introduzir medidas práticas e econômicas que apoiem os idosos a desfrutar de uma dieta acessível e a manter uma relação positiva com a comida.”

Imagem: Envato
Informações: Tom Ryan para Retail Wire
Tradução: Central do Varejo