Connect with us

Design

Revitalizando o varejo: o potencial lucrativo da reestruturação de shoppings

Published

on

reestruturação

Os shopping centers tradicionais estão prontos para uma transformação dinâmica, apresentando oportunidades imobiliárias atrativas à medida que mais espaços se tornam vagos e acessíveis. À medida que arquitetos e desenvolvedores elaboram novas abordagens para reestruturação dessas propriedades, o que é certo é que elas serão diferentes do passado.

Os shoppings, geralmente situados em locais privilegiados com boa acessibilidade, são ativos imobiliários valiosos que têm o potencial de serem centros de interação social e engajamento local. Esse potencial pode ser totalmente realizado reimaginando-os com uma consideração cuidadosa das necessidades da comunidade. Ao integrar várias funções nessas construções, os designers podem aprimorar a resiliência desses shoppings, transformando-os em destinos de uso misto, garantindo seu status como parte integrante da comunidade.

Projetando o futuro dos shoppings existentes

Reposicionar shoppings para facilitar uma maior flexibilidade no uso além do varejo permitirá que esses espaços se ajustem às tendências de mercado em evolução e às preferências do consumidor em mudança. No entanto, o processo de determinar o caso de uso e o design ideais envolve numerosas etapas.

Leia também: Built to Suit: entenda tudo sobre o assunto

Antes de prosseguir com uma compra, é realizada uma análise do local para determinar se um edifício é um bom candidato para reposicionamento ou reutilização adaptativa. Os arquitetos analisam uma variedade de elementos para entender o contexto do edifício e sua localização. Isso envolve os arquitetos identificando paredes estruturais e não estruturais, observando as comodidades do bairro e concluindo um estudo de iluminação natural com o engenheiro estrutural para ver onde os espaços podem ser abertos para deixar entrar mais luz.

As grandes lojas de varejo geralmente têm grandes lajes de piso e áreas subterrâneas com pouco ou nenhum acesso à luz natural. Trazer luz mais profundamente para o piso e para os níveis do porão é uma intervenção de design crítica para tornar esses edifícios viáveis para outros usos. Se os resultados mostrarem que o desenvolvimento pode ser bem-sucedido, a equipe de design passa para o projeto preliminar. É crucial que os arquitetos mergulhem na história do edifício nesta fase, para encontrar elementos definidores relevantes que possam ser preservados ou aproveitados no design. Plantas baixas do prédio existente ou desenhos históricos anteriores são ótimos materiais de referência.

Esse processo deliberado de investigação, preservação seletiva e intervenção estratégica é o que torna cada projeto de reutilização adaptativa tão interessante. Os espaços, estruturas e campi contam cada um uma história única que é difícil de replicar em uma construção do zero, onde os designers e desenvolvedores têm uma tela em branco.

Em qualquer esforço para reutilizar ou reposicionar um shopping, um desafio significativo reside em dissipar a percepção de uma atmosfera de shopping suburbano. Na HLW, o processo de design geralmente envolve a geração de três a cinco opções iterativas e a seleção cuidadosa com base em considerações lógicas e financeiras sólidas.

Colaborar com uma equipe diversificada de designers traz uma variedade de perspectivas, garantindo uma exploração abrangente de possibilidades. Montar uma equipe multidisciplinar interna – composta por arquitetos, designers de interiores, designers de paisagismo, designers de experiência, estrategistas de marca, especialistas em sustentabilidade e designers de iluminação – abre caminho para uma abordagem de design bem-sucedida e holística. Além disso, criar relacionamentos profundos com consultores e empreiteiros externos na fase de due diligence para garantir a viabilidade financeira e a construtibilidade dos projetos propostos.

A HLW concluiu recentemente a reutilização adaptativa de uma loja de departamentos Macy’s no antigo Westside Pavilion em Los Angeles, que foi renomeado para West End. Além disso, atualmente estão trabalhando no Bayfair Center no East Bay da área metropolitana de São Francisco. Tanto West End quanto Bayfair Center servem como exemplos brilhantes de transformações bem-sucedidas, ilustrando como essa abordagem pode dar nova vida a espaços de varejo envelhecidos, estimular a atividade econômica e alinhar-se com objetivos sustentáveis ​​de desenvolvimento urbano.

West End West End é um estudo de caso impressionante sobre o reaproveitamento de lojas de departamentos subutilizadas e abandonadas em todo o país, trazendo nova vida para os bairros e proporcionando espaços que servirão melhor às futuras gerações da comunidade de West LA. A HLW transformou a antiga Macy’s em 230.000 pés quadrados de espaço de escritório criativo adequado para uma variedade de inquilinos – um projeto que serviu como catalisador para a reestruturação maior do shopping.

O plano inovador de reutilização adaptativa para este local repensa de forma responsável a infraestrutura do edifício existente, integrando-a perfeitamente à paisagem urbana em evolução. Notavelmente, essa transformação está alinhada com o caráter cada vez mais amigável para pedestres da área, que vem aumentando desde o fechamento do Westside Pavilion. Essa revisão abrangente mantém os elementos arquitetônicos distintivos do prédio, como os detalhes únicos semelhantes a um taco de hóquei na fachada, e garante que a integridade estrutural permaneça intacta.

Para rejuvenescer o local, a equipe criou um pátio central, cortando efetivamente o edifício, conectando-o tanto ao céu quanto à rua. Essa decisão arquitetônica permite uma mistura harmoniosa de espaços internos e externos, criando uma sensação de continuidade. Além disso, abaixaram o nível do solo, abrindo efetivamente o porão anteriormente dormente para a luz natural e proporcionando vistas pitorescas do pátio.

Em uma mudança significativa para melhorar a conexão entre os interiores do prédio e seus arredores, a fachada externa, antes lacrada, foi retrofitada com vidro expansivo do chão ao teto, facilitando uma transição visual perfeita de dentro para fora e vice-versa.

Eles projetaram o West End com excepcional flexibilidade em mente. Além dos dinâmicos espaços de escritório criativo, os inquilinos têm a opção de utilizar as áreas do térreo voltadas para a rua para varejo ou centros de fitness. Esse design deliberado garante que o West End possa permanecer adaptável às necessidades do consumidor em constante evolução no futuro.

Além disso, o complexo desfruta da conveniência de estar a uma curta distância a pé e de bicicleta de ofertas residenciais e comerciais adicionais, incluindo uma variedade diversificada de restaurantes e serviços de estilo de vida. Essa localização estratégica aproveita ao máximo a localização privilegiada do antigo shopping.

Não mais uma propriedade vaga e inativa, o desenvolvimento não apenas deu nova vida à área, mas também abriu caminho para o sucesso de projetos vizinhos, criando oportunidades para o desenvolvimento futuro. Notavelmente, a recente aquisição da propriedade do Westside Pavilion pela UCLA, que a universidade transformará no UCLA Research Park, sinaliza a oportunidade de atrair mais inquilinos de ciências da vida e educação para a área.

Bayfair Center Em San Leandro, Califórnia, a B3 Developers embarcou em uma missão para reanimar o Bayfair Center em um campus de inquilinos dinâmico, imbuido de um caráter distinto e amenidades orientadas para o trânsito. A visão envolve uma transformação do atual shopping center de 670.000 pés quadrados de sua condição estática e desatualizada em um complexo versátil, projetado para acomodar futuras adaptações com facilidade.

Para criar um design bem-sucedido, era imperativo que a equipe de design mergulhasse na história do complexo. O Bayfair Center é composto por edifícios construídos em diferentes épocas. Inicialmente, o complexo era ao ar livre, mas passou por uma cobertura na década de 1980. Atualmente, a intenção é restaurar seu layout aberto, levando a equipe de design a examinar meticulosamente o prédio em busca de pistas sobre os pontos de fechamento anteriores como fontes potenciais para introduzir luz natural.

O design proposto reimagina o espaço para atender às necessidades de empresas de ciências da vida e biotecnologia. Assim como o projeto West End, este espaço contará com pátios e amenidades comuns. Além disso, oferecerá quintais privativos para os inquilinos, estrategicamente incorporados à estrutura para otimizar a iluminação natural.

O design inclui características que conferem ao Bayfair Center um ambiente de campus, o que poderia fortalecer a comunidade local e transformar a área em um destino movimentado e atraente. O Bayfair Center fica adjacente a uma estação do Bay Area Rapid Transit (BART), então projetaram uma área central do town hall para orientar o wayfinding do complexo, com consideração extra para a circulação tanto do tráfego de veículos quanto dos pedestres que viajam no BART.

Impactos ambientais

As vantagens de utilizar estoque de edifícios existentes são vastas, com um benefício particularmente atraente sendo seu impacto positivo no meio ambiente. Projetos envolvendo reutilização adaptativa e reposicionamento reduzem significativamente a necessidade de novas construções, minimizando assim a pegada ambiental associada.

Ao aproveitar ao máximo os recursos e infraestrutura existentes, a reutilização adaptativa promove a sustentabilidade, o que é cada vez mais vital em um mundo focado na redução das emissões de carbono e na preservação dos recursos. Essa abordagem muitas vezes se mostra mais econômica do que iniciar novos projetos de construção, pois pode levar a despesas de construção reduzidas, aprovações simplificadas de licenças e cronogramas de projeto mais curtos. Além disso, governos locais e municípios podem incentivar iniciativas de reutilização adaptativa e reposicionamento por meio de medidas como incentivos fiscais, ajustes de zoneamento e processos simplificados de licenciamento.

O West End é um ótimo exemplo de como os edifícios podem estender sua vida útil por meio de um design inteligente enquanto reduzem as emissões associadas a todos os materiais. A intensidade de carbono incorporado ao projeto é significativamente menor em comparação com a média de um novo prédio devido à reutilização da superestrutura de concreto e da fundação.

A equipe também tomou cuidado especial para reduzir o consumo de energia por meio de estratégias arquitetônicas inteligentes e escolhas de materiais. Por exemplo, vazios cortados nas lajes originais da estrutura para pátios internos estrategicamente posicionados aumentaram o acesso à luz do dia e reduziram a necessidade de ar-condicionado.

À medida que os ambientes de varejo evoluem e as preferências do consumidor continuam a mudar, a repaginação de shoppings subutilizados e abandonados pode oferecer soluções para alguns dos desafios mais pertinentes enfrentados em todo o país. Dar nova vida a esses espaços em desuso pode realmente ser um catalisador para energizar comunidades, estimular o crescimento econômico e diminuir o impacto climático do ambiente construído. O futuro dos shoppings pode ser brilhante se projetado corretamente.

Imagem: Envato
Informações: Sejal Sonani para Retail Touch Points 
Tradução: Central do Varejo