Connect with us

Comportamento

Finanças da Geração Z: de gastos desastrosos a orçamentos claros

Published

on

finanças da geração Z

As finanças da Geração Z estão sendo fortemente influenciadas por seus comportamentos digitais, e há uma crescente necessidade de plataformas que os ajudem a equilibrar os desafios diários de orçamento com metas de economia de longo prazo.

Embora esta seja uma geração que conquistou uma reputação de ser relativamente inteligente financeiramente, um cenário econômico difícil está afetando sua capacidade de alcançar estabilidade financeira. O Gen Z começou a economizar para a aposentadoria aos 22 anos, em média, de acordo com um relatório de 2024 da Northwestern Mutual – isso é 15 anos antes do que o baby boomer médio. No entanto, grande parte desse desejo de começar a economizar cedo nasce da ansiedade: menos de um terço da Geração Z se sente financeiramente segura, diz um estudo de 2023 da EY, enquanto a Redfin descobriu que 43% da Geração Z acham que não conseguirão comprar uma casa em breve, à medida que os preços dos imóveis se tornam cada vez mais inalcançáveis.

Endividados com empréstimos estudantis, aumento dos custos de vida, altos preços de aluguel e salários estagnados, as finanças da Geração Z estão enfrentando obstáculos significativos. Na verdade, um estudo de 2023 da Consumer Affairs descobriu que a Geração Z tem 86% menos poder de compra do que os Baby Boomers tinham quando estavam na casa dos 20 anos. No último ano, 73% da Geração Z modificaram seu estilo de vida devido à inflação, enquanto 53% citam o custo de vida como uma grande barreira para alcançar o sucesso financeiro, de acordo com uma pesquisa de 2023 do Bank of America.

Com grande parte da sabedoria recebida dos pais e instituições parecendo ultrapassadas, as mídias sociais se tornaram uma fonte chave de informação e otimismo muito necessários. Cerca de 79% da Geração Z receberam conselhos financeiros das mídias sociais, de acordo com um relatório de 2023 do Forbes Advisor, sendo que o TikTok se revelou um hub especialmente popular para esse conteúdo. A hashtag #FinTok recebeu mais de 4,7 bilhões de visualizações na plataforma. Lá, os jovens encontram uma série de ‘finfluenciadores’ fornecendo conteúdo educacional, envolvente e gratuito sobre tudo, desde a criação de um orçamento até a compra e venda no mercado de ações. Esse discurso online está dando origem a um novo léxico de termos financeiros, desde gastos desastrosos (autoajuda por meio de compras desnecessárias) até orçamentos altos e claros (ser descaradamente vocal sobre não querer gastar mais do que podem pagar). No entanto, um relatório do Instituto CFA descobriu que apenas 20% do conteúdo dos finfluenciadores continha algum tipo de divulgação, apresentando uma grande oportunidade para as marcas intervirem com informações confiáveis e imparciais.

Com uma abundância de informações financeiras disponíveis online, a Geração Z pode ser inteligente financeiramente – mas também precisa de apoio. 89% dizem que planejar seu futuro financeiro os faz sentir empoderados, de acordo com um relatório da Visual Capitalist. Nesse contexto, ajudar a Geração Z a desenvolver hábitos financeiros saudáveis, desde gastos, economia, orçamento ou investimento, que gerem ganhos significativos ao longo do tempo deve ser um ângulo-chave para o envolvimento.

 

Imagem: Envato
Informações da GDRUK
Tradução por Central do Varejo