Connect with us

Comportamento

A tendência do ‘Quiet Luxury’ veio para ficar?

Published

on

Quiet Luxury

Uma análise de um desfile de moda em Milão, feita pelo Wall Street Journal em fevereiro, proclamou que “Todo mundo está cansado do ‘Quiet Luxury'”, uma tendência de moda que valoriza a elegância discreta e a qualidade em vez de exibições ostensivas de riqueza e logotipos chamativos.

“O ‘Quiet Luxury’ tornou-se uma expressão um tanto suja em Milão”, escreveu Rory Satran, diretor executivo de moda da publicação de negócios. “Para alguns nas marcas italianas que incorporam o termo, é algo redutivo — uma maneira excessivamente TikTok-ificada de descrever roupas clássicas e refinadas. Muitas pessoas da indústria da moda reviram os olhos quando o termo surge.”

No entanto, uma nova pesquisa do provedor de logística de e-commer, Radial, aponta para um apelo contínuo. Radial escreveu no estudo: “Enquanto o Quiet Luxury tem sido há muito tempo um princípio de moda dos afluentes, o Quiet Luxury agora atrai um mercado mais amplo, à medida que os consumidores buscam obter o máximo valor e longevidade de suas compras de vestuário e realizam seus valores de sustentabilidade.”

O termo Quiet Luxury, também conhecido como “stealth wealth” (riqueza discreta), começou a ser citado em 2023, com alguns rastreando sua origem aos trajes refinados usados pela fundadora da Goop e atriz Gwyneth Paltrow em seu julgamento por acidente de esqui em março passado, bem como aos looks “old money” exibidos durante a temporada final de “Succession” da HBO.

Alguns veem a tendência como um ressurgimento do afastamento do consumo conspícuo, incluindo looks carregados de logotipos e ostensivos, visto no período pós-recessão de 2008. Amy Leverton, fundadora da Denim Dudes, disse ao Sourcing Journal: “Acreditamos que é um espelho do colapso do mercado de 2008, um momento em que a incerteza financeira levou os consumidores a comprar de forma mais intencional, comprar menos e se interessar por roupas mais silenciosas e de maior qualidade.”

Além de mais pessoas vivendo de salário em salário, uma nova geração de consumidores valorizando a sustentabilidade e a obtenção ética é esperada para impulsionar as compras de produtos de maior durabilidade.

Thomaï Serdari, professora de marketing e diretora do programa de moda e luxo da Stern School of Business da Universidade de Nova York, vê o Quiet Luxury como a antítese da fast fashion. Serdari disse à CNBC: “Essa é a nova mentalidade que permitiu ao Quiet Luxury permanecer por um pouco mais de tempo.”

Outros fatores que impulsionam a tendência citados pela Kantar incluem o aumento dos protestos contra a desigualdade que “estigmatiza ainda mais as exibições de riqueza” e o papel dos influenciadores online na “democratização do acesso e da visibilidade” a itens percebidos como luxuosos.

A tendência também está influenciando cada vez mais o design de interiores e as escolhas de férias.

No entanto, alguns insiders da moda sentem que as tendências sempre mudam, com muitos prevendo o retorno da moda chamativa e extravagante.

Em abril, a Valentino contratou Alessandro Michele, ex-chefe criativo da Gucci, conhecido por seu uso de brilhos e estampas ousadas, antecipando uma mudança de tendência para designs mais arrojados. Rachid Mohamed Rachid, presidente da Valentino, disse à Bloomberg TV: “Sabemos que nos últimos anos, o Quiet Luxury prevaleceu. Minha suposição, como a de muitos outros na moda: isso vai acabar.”

“Há uma mudança em andamento na moda”, escreveu Vanessa Friedman, crítica de moda chefe do New York Times, no final de fevereiro. “O apelo seguro e aconchegante do Quiet Luxury, o tipo de luxo que era uma especialidade local tanto quanto o risoto alla Milanese, parece cada vez menos relevante — uma abordagem relaxada e neutra para a autoexpressão que não combina mais com a crescente urgência do mundo. Isso parece menos uma panaceia e mais uma rendição.”

 

Imagem: Envato
Informações: Tom Ryam para Retail Wire
Tradução: Central do Varejo