Connect with us

Inovação

ERP: o que é e por que sua empresa precisa de um

Em um único sistema ERP, é possível automatizar dados, vendas, marketing e acompanhamento de resultados

Published

on

Ilustração digital com conceito de rede e dados; transformação digital

O ERP é um sistema de software que integra todas as facetas de uma operação empresarial, incluindo planejamento, gestão de dados, desenvolvimento, produção, vendas e marketing. Com esse sistema, é possível automatizar processos que antes eram manuais, agilizando a dinâmica dentro de uma empresa, e permitindo maior eficiência. Dessa forma, em vez de ter diversas plataformas para cada atividade, o ERP proporciona mais facilidade ao juntar todas elas.

Com o avanço de tecnologias como a Inteligência Artificial, tornou-se possível integrá-las aos sistemas de ERP, tornando tudo ainda mais dinâmico e automatizado. Se você precisa trazer esse tipo de inovação para a sua empresa, acompanhe este artigo!

O que é ERP?

ERP, sigla para Enterprise Resource Planning, ou Planejamento de Recursos Empresariais, é um sistema de software essencial para a gestão integrada de processos empresariais. Este sistema permite que empresas de diferentes portes e setores centralizem e harmonizem todas as suas operações em uma única plataforma. Desde a gestão financeira até o controle de estoque, passando por recursos humanos e logística, esse sistema oferece uma visão integral e em tempo real do negócio, facilitando a tomada de decisões estratégicas.

Os sistemas ERP são compostos por diversos módulos interconectados, cada um responsável por uma área específica da empresa. Esses módulos incluem, entre outros, finanças, recursos humanos, vendas, compras, manufatura e cadeia de suprimentos. A integração desses módulos garante que todas as áreas da empresa compartilhem dados e informações de maneira eficiente, eliminando a duplicidade de dados e reduzindo a possibilidade de erros. Isso significa que, por exemplo, uma venda registrada automaticamente ajusta o nível de estoque e gera um lançamento contábil correspondente, tudo em tempo real.

Entre as funcionalidades de um ERP, destacam-se a automação de processos, a padronização de operações e a capacidade de gerar relatórios detalhados. Essas funcionalidades não apenas melhoram a eficiência operacional, mas também aumentam a transparência e a rastreabilidade dentro da empresa. Com relatórios detalhados e dashboards personalizados, os gestores podem monitorar indicadores-chave de desempenho (KPIs) e tomar decisões informadas rapidamente. Além disso, a automação de tarefas rotineiras libera tempo para os colaboradores se concentrarem em atividades mais estratégicas.

Na era da transformação digital, os sistemas ERP evoluíram para incorporar tecnologias emergentes como inteligência artificial (IA), machine learning (ML) e Internet das Coisas (IoT). Essas tecnologias aumentam significativamente a capacidade do ERP de prever tendências, otimizar processos e melhorar a eficiência operacional. Por exemplo, o uso de IA e ML permite análises preditivas que podem antecipar demandas futuras, enquanto o IoT pode monitorar em tempo real o desempenho de máquinas e equipamentos, permitindo manutenção preditiva e evitando paradas não planejadas.

Ao centralizar a gestão das operações, as empresas podem reduzir custos, melhorar a eficiência e aumentar a produtividade. Além disso, a capacidade de acessar dados em tempo real melhora a capacidade de resposta às mudanças do mercado e às necessidades dos clientes. Empresas que utilizam ERP estão melhor equipadas para crescer de maneira sustentável e para adaptar-se rapidamente a novas oportunidades e desafios.

Como surgiu

A origem do ERP remonta às décadas de 1960 e 1970, quando as empresas começaram a buscar maneiras mais eficientes de gerenciar seus processos de produção e estoque. Nesse período, surgiram os primeiros sistemas de controle de inventário e planejamento de materiais, conhecidos como MRP (Material Requirements Planning). Os sistemas MRP foram projetados para ajudar as empresas a gerenciar suas necessidades de materiais e otimizar os processos de produção, garantindo que as matérias-primas estivessem disponíveis quando necessário, sem excessos de estoque.

Na década de 1980, o MRP II foi introduzido. O MRP II ampliou o escopo dos sistemas MRP originais, integrando não apenas o planejamento de materiais, mas também outras funções de manufatura, como planejamento de capacidade e controle de chão de fábrica. Esta evolução marcou um passo significativo em direção aos sistemas ERP modernos, pois começou a integrar múltiplos aspectos da produção e das operações empresariais.

Nos anos 1990, a tecnologia da informação continuou a avançar, e as empresas começaram a reconhecer a necessidade de uma solução integrada que pudesse abranger todas as áreas de suas operações, incluindo finanças, recursos humanos, vendas, e distribuição. Foi nessa época que o termo ERP começou a ser utilizado. Os sistemas ERP foram desenvolvidos para oferecer uma solução única e abrangente para a gestão empresarial, integrando todas as funções críticas em uma única plataforma.

A popularidade dos sistemas ERP cresceu rapidamente na década de 1990 e no início dos anos 2000, à medida que empresas ao redor do mundo adotaram essas soluções para melhorar a eficiência e a competitividade. Grandes fornecedores de software, como SAP, Oracle e Microsoft, emergiram como líderes desse mercado, oferecendo soluções robustas e escaláveis para empresas de todos os tamanhos. A adoção de ERP foi impulsionada pela globalização e pela necessidade crescente de gerenciar operações complexas e distribuídas em múltiplos locais e países.

Com a chegada da era digital e a evolução contínua da tecnologia, os sistemas ERP passaram por novas transformações. A incorporação de tecnologias emergentes trouxe novas capacidades a esses sistemas, como análise preditiva, automação avançada e monitoramento em tempo real. Além disso, a computação em nuvem (cloud computing) permitiu que os ERPs se tornassem mais acessíveis e flexíveis, permitindo que empresas de todos os tamanhos pudessem aproveitar os benefícios dessa tecnologia.

Benefícios do ERP

Integração Centralizada: Um dos principais benefícios de um sistema ERP é a capacidade de integrar todas as funções de negócios em uma única plataforma. Isso elimina a necessidade de múltiplos sistemas e facilita a comunicação e o compartilhamento de informações entre departamentos.

Automação de Processos: o ERP permite a automação de tarefas repetitivas, reduzindo erros manuais e aumentando a eficiência operacional. Processos como entrada de pedidos, controle de estoque e faturamento podem ser automatizados.

Tomada de Decisão Informada: Com acesso a dados em tempo real, os gestores podem tomar decisões mais informadas e estratégicas. Relatórios e análises detalhadas ajudam a identificar tendências e oportunidades de melhoria.

Melhor Gestão de Recursos: O ERP ajuda a otimizar o uso de recursos, desde matérias-primas até a mão de obra. Isso resulta em uma redução de custos e melhor alocação de recursos.

Conformidade e Segurança: ERP também ajuda as empresas a manterem-se em conformidade com as regulamentações industriais e de segurança. Além disso, centraliza a gestão de dados, melhorando a segurança e reduzindo o risco de perda de informações.

Tipos de ERP

Os sistemas ERP  são classificados em vários tipos, baseados em diferentes critérios como tamanho da empresa, setor de atuação, metodologia de implementação e arquitetura de software. Cada tipo de ERP é projetado para atender necessidades específicas de negócios, garantindo que as empresas possam selecionar a solução que melhor se adapta às suas operações e objetivos estratégicos.

Por tamanho da empresa

ERP para Pequenas e Médias Empresas (PMEs): Sistemas para pequenas e médias empresas (PMEs) são projetados para ser acessíveis e fáceis de usar, com funcionalidades que atendem às necessidades básicas de pequenas e médias empresas. Eles geralmente oferecem módulos essenciais, como contabilidade, gestão de estoque, e CRM (Customer Relationship Management). Exemplos incluem soluções como SAP Business One e Microsoft Dynamics 365 Business Central.

ERP para Grandes Empresas: Sistemas ERP para grandes empresas são robustos e altamente configuráveis, capazes de gerenciar operações complexas e multinacionais. Esses sistemas oferecem uma ampla gama de funcionalidades e são escaláveis para suportar o crescimento empresarial. Eles podem ser personalizados para atender requisitos específicos de diferentes setores. Exemplos incluem SAP S/4HANA, Oracle ERP Cloud, e Infor CloudSuite.

Por Setor de Atuação

ERP Genérico: Projetados para atender a uma variedade de setores, esses sistemas ERP fornecem funcionalidades padrão que podem ser aplicadas a qualquer tipo de negócio. Eles são flexíveis e configuráveis para diferentes processos empresariais. 

ERP Setorial: Alguns sistemas ERP são desenvolvidos especificamente para setores industriais específicos, como manufatura, saúde, varejo, construção, e serviços financeiros. Esses sistemas incluem funcionalidades e processos pré-configurados que atendem às necessidades particulares de cada setor. Por exemplo, o Epicor ERP é popular na manufatura, enquanto o Cerner é amplamente utilizado no setor de saúde.

Por Metodologia de Implementação

ERP On-Premises: Este tipo de ERP é instalado localmente nos servidores da empresa. Ele oferece maior controle sobre os dados e a personalização do sistema, mas exige um investimento inicial significativo em hardware e infraestrutura, além de custos contínuos de manutenção e suporte.

ERP em Nuvem: Os sistemas ERP em nuvem são hospedados nos servidores do fornecedor e acessados pela internet. Eles oferecem maior flexibilidade, escalabilidade e menor custo inicial, já que não requerem investimentos em infraestrutura. A manutenção e as atualizações são gerenciadas pelo fornecedor, reduzindo a carga sobre a equipe de TI interna. Exemplos incluem NetSuite e Oracle ERP Cloud.

ERP Híbrido: Combina elementos on-premises e em nuvem. As empresas podem manter algumas partes do ERP localmente enquanto utilizam a nuvem para outras funcionalidades, permitindo uma transição gradual para a nuvem ou a manutenção de controle sobre dados sensíveis.

Por Arquitetura de Software

ERP Modular: Estes sistemas são compostos por módulos independentes que podem ser implementados separadamente. Isso permite que as empresas adotem gradualmente o ERP, integrando novos módulos conforme necessário. A abordagem modular oferece flexibilidade e pode reduzir os custos iniciais de implementação.

ERP Suite: Uma solução ERP completa que oferece uma gama completa de funcionalidades integradas em um único pacote. As suítes são ideais para empresas que buscam uma solução abrangente e integrada desde o início.

Como escolher o ERP Certo?

  • Tamanho e Necessidades da Empresa: Avalie o tamanho da sua empresa e suas necessidades específicas. Pequenas empresas podem se beneficiar de soluções mais simples, enquanto grandes organizações podem precisar de sistemas mais robustos e personalizados.
  • Custo: Considere o custo total de propriedade, incluindo aquisição, implementação e manutenção do sistema.
  • Funcionalidades: Certifique-se de que o sistema escolhido possui as funcionalidades necessárias para suportar todos os processos de negócios da sua empresa.
  • Escalabilidade: Escolha um ERP que possa crescer com a sua empresa. A escalabilidade é crucial para suportar o crescimento e as mudanças nos negócios.

Conclusão

A diversidade de tipos de ERP reflete a ampla gama de necessidades empresariais. Desde pequenas empresas até grandes corporações, e de setores genéricos a específicos, há uma solução ERP adaptável a cada contexto. Com a escolha adequada, as empresas podem otimizar seus processos, melhorar a eficiência e alcançar seus objetivos estratégicos. Entender os diferentes tipos de ERP disponíveis pode ser fundamental para tomar uma decisão que alinhe a tecnologia às necessidades e ao crescimento futuro da empresa.