Connect with us

Operação

Varejistas não conseguem manter os golpistas longe de sua forma de pagamento favorita: cartões-presente

Published

on

cartões-presente

Os varejistas estão lutando para conter a proliferação de golpistas que enganam os americanos para comprar milhares de dólares em cartões-presente.

Por que isso importa? a Comissão Federal de Comércio (FTC) estima que os americanos perderam pelo menos $217 milhões para golpes com cartões-presente no ano passado. Esse número provavelmente é maior, já que muitas vítimas ficam envergonhadas demais para relatar à polícia.

O que está acontecendo: combater os golpes com cartões-presente foi um tema quente na semana na conferência de cibersegurança da Federação Nacional de Varejo (NRF) em Long Beach, Califórnia.

Como funciona: alguns golpes com cartões-presente começam com mensagens de texto de pessoas fingindo ser suporte técnico, seu chefe, o governo ou um número errado. Eventualmente, essas conversas levam a alguém pedindo à vítima para comprar cartões-presente em seu nome e enviar o número do código de barras por mensagem de texto.

Outros envolvem criminosos em locais físicos, adulterando um cartão-presente para acessar as informações do código de barras e depois roubando os fundos sem levar o cartão real.

Cada golpe mira populações vulneráveis: idosos, pessoas com menos conhecimento de tecnologia; aqueles que são solitários e trabalham de casa; e até mesmo crianças pequenas, dizem os especialistas.

Os cartões-presente, como as criptomoedas, muitas vezes dão aos golpistas acesso fácil a dinheiro difícil de rastrear. Como a maioria dos cartões-presente é oferecida por marcas terceirizadas, é difícil para os varejistas saber como e onde o dinheiro foi gasto sem trabalhar com esses parceiros.

A AARP recebe cerca de 100.000 ligações sobre golpes com cartões-presente para sua linha de ajuda a cada ano, disse Amy Nofziger, diretora de apoio a vítimas de fraudes da organização.

Em um depoimento que Nofziger apresentou durante sua apresentação na conferência da NRF, uma vítima idosa disse que enviou $31.000 a um golpista como parte de um golpe de romance que envolvia cartões-presente.

“Eu sei que há mais que podemos fazer e sei que, coletivamente, estamos falhando [com as vítimas]”, disse Nofziger. “Estamos falhando com suas famílias.”

Apple, Google Play Store e cartões-presente de pagamento, como Visa ou American Express, são os maiores alvos para golpistas. Golpistas usam cartões-presente da Apple para comprar produtos Apple e revendê-los. Alguns golpistas podem usar cartões-presente do Google Play Store para comprar criptomoedas ou vendê-los a uma taxa com desconto online.

A AARP viu um aumento nos golpistas pedindo cartões-presente da Sephora para revender produtos de beleza caros online, disse Nofziger.

Leia também: Franquia de cosméticos: saiba tudo sobre esse mercado + as 50 melhores

“Serei honesto com vocês, não tenho a resposta mágica para [resolver a adulteração de cartões-presente]”, disse Cassandra Butler, vice-diretora assistente de inteligência da divisão de investigações criminais do FBI, durante a conferência da NRF.

O Walmart implementou várias iniciativas para combater os golpes com cartões-presente, disse Claire Rushton, diretora sênior da equipe global de investigações do Walmart.

O gigante do varejo criou um banco de dados interno que rastreia onde um cartão-presente do Walmart foi comprado, onde foi gasto e com que rapidez foi usado. Se um cartão se movimenta muito rapidamente pelos Estados Unidos, “esse cartão-presente é congelado”, disse Rushton. Cartões-presente do Walmart também não funcionam fora dos Estados Unidos, o que impede que criminosos estrangeiros usem os números dos códigos de barras.

O Walmart também fez parcerias com o FBI, o Serviço Secreto e outras autoridades locais para combater redes de adulteração.

Varejistas e fornecedores ainda podem fazer mais para combater esses golpes, dizem os especialistas. Vítimas notaram que nunca veem avisos sobre a possibilidade de golpes nos expositores de cartões-presente, disse Nofziger. Varejistas e fornecedores de cartões-presente poderiam fazer mais para trabalhar juntos e trocar informações sobre os golpes que estão vendo, disse Rushton.

Imagem: Envato
Informações: Sam Sabin para Axios
Tradução Livre: Central do Varejo