Connect with us

Economia

Movimento nas lojas físicas cai 6%, mas faturamento do varejo sobe

Fluxo nas lojas de rua apresentou queda em fevereiro, quando comparado a mesmo período de 2023

Published

on

Loja da Polishop; movimento lojas físicas

O movimento de clientes nas lojas físicas teve uma queda de 6% em fevereiro de 2024 em comparação com o mesmo período do ano anterior, de acordo com os Índices de Performance do Varejo (IPV), pesquisa realizada pelo venture capital HiPartners Capital & Work em colaboração com a Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC).

Os estabelecimentos de rua registraram uma queda de 8%, enquanto os localizados em shoppings tiveram uma diminuição de 5% no mesmo período. No entanto, os shoppings em geral tiveram uma retração de apenas 1% no fluxo de visitantes.

Por outro lado, o faturamento do varejo teve um aumento de 9% em todo o Brasil, com o protagonismo sendo das lojas de rua, que registraram um aumento de 14%, e da região Nordeste, que apresentou crescimento de 13%. Esse aumento refletiu também no ticket médio, que aumentou 4,5%, com um crescimento de 6% para lojas de rua e 0,2% para lojas em shoppings.

Eduardo Terra, presidente da SBVC, acredita ser importante adotar um olhar mais otimista sobre a economia brasileira neste ano a partir da performance do primeiro trimestre. “A redução consistente da taxa básica de juros pelo Banco Central traz alívio para os varejistas, facilitando investimentos em expansão, tecnologia e estoques. Com previsões favoráveis de crescimento econômico e inflação controlada, vislumbramos um ciclo virtuoso de mais consumo, empregos e benefícios para toda a sociedade”, analisa.

Os dados por região mostram que, com exceção de um pequeno aumento no movimento nas lojas físicas no Nordeste (0,3%) e no Centro-Oeste (1%), as outras regiões apresentaram redução, com destaque para o Norte, que teve uma queda acentuada de 21%. No entanto, as vendas aumentaram em todas as regiões, com um aumento de 4%, especialmente no Centro-Oeste (9%), Nordeste (7%) e Sul (3%).

No que diz respeito aos setores, houve uma redução no fluxo de visitação em todos os quatro segmentos em fevereiro de 2024, em comparação com o mesmo mês do ano anterior. No entanto, as vendas tiveram um destaque positivo no segmento de artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos, com um aumento de 11%, e um aumento expressivo de 17% no faturamento. Por outro lado, houve uma redução de 10% nas vendas no segmento de móveis e eletrodomésticos e uma redução de 5% no faturamento do segmento de tecidos, vestuário e calçados.

A sócia da HiPartners Flávia Pini aponta que, embora as iniciativas de transformação digital tenham enfraquecido no ano passado, o cenário econômico pode ajudar a superar os desafios. “E, ainda que o fluxo no varejo físico tenha decrescido no último mês, a loja nunca teve um papel tão importante na jornada de consumo, assumindo parte estratégica para melhorar experiência, aumentar engajamento e fornecer conveniência ao consumidor”, explica.

Entre outros dados divulgados na pesquisa, o Índice de Cesta Básica no E-commerce (ICB-COM) teve um aumento de 17% em relação a fevereiro de 2023, com um crescimento de 0,15% em relação ao último mês da pesquisa. Houve alta também no indicador do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) para a cesta básica em lojas físicas, com 2% de variação positiva em São Paulo no mês de fevereiro, com crescimento de 4% também em relação a fevereiro de 2023. 

A maior alta no volume de vendas ocorreu na região Centro-Oeste (9%), seguido pelo Nordeste (7%) e Sul (3%), enquanto o faturamento nominal teve o maior crescimento na região Nordeste (13%). A região com maior destaque negativo no fluxo de visitantes foi a região Norte (-21%), enquanto o Nordeste (0,3%) e o Centro-Oeste (1%) apresentaram leve aumento no período. O segmento com maior aumento nas vendas e faturamento foi o de Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos”, com 11% e 17%, respectivamente.

Loja da Polishop; movimento lojas físicas

Imagem: Reprodução